sexta-feira, 12 de julho de 2013

1974 – O Maverick nas 25 Horas de Interlagos e a confusão do Opala

Essa corrida foi um marco para o automobilismo nacional. Duas grandes montadoras se desafiavam cada vez mais para mostrar na pista quem tinha o melhor carro. Com ânsia pela vitória para igualar ao Maverick, a GM resolveu tomar atitudes contra o regulamento e aí tudo virou uma confusão. É impressionante como essa corrida rendeu notícias e tudo isso por causa da falta de respeito com o regulamento da CBA. Bom, vamos analisar tudo o que aconteceu. A corrida aconteceu entre os dias 25 e 26 de maio de 1974.

A primeira coisa que devemos levar em consideração é que essa prova era da Divisão 1, com os carros praticamente originais. Isso é importante porque era justamente carro contra carro e não equipe rica contra equipe pobre.



Folha de S. Paulo 16.5.74




A disputa mais esperada era entre Maverick e Opala e o nosso V8 já leva vantagem por ter vencido a prova de 1973 e ter acumulado outras vitórias importantes como acompanhamos aqui no blog.
Espera-se que uns 120 carros sejam inscritos, porém o grid só suporta 72. Com a participação do Wilsinho Fittipaldi a prova ganharia mais emoção.


Diário de Notícias 16.5.74

Diário do Paraná 19.5.74
Uma prova grandiosa, uma corrida que qualquer equipe e piloto daria o máximo para vencer.


Folha de S. Paulo 21.5.74


Começam os treinos de classificação para a corrida. O Wilsinho vai correr de Opala.
A Italcomy-Safra que “era a equipe da Chevrolet” entra com 4 Opalas.


Folha de S. Paulo 22.5.74


É difícil ler a matéria, mas pelo titulo e pelo que nós viemos acompanhando, dá pra entender.
O Maverick da Mercantil Finasa, que era a equipe da Ford, fez o melhor tempo: talvez 3:47 minutos. Até o dia 25, dia da prova, haverá mais treinos, vamos seguir.

O Estado de S. Paulo 22.5.74


Agora a gente consegue entender melhor. :)
O Opala ficou 1 segundo e 4 décimos atrás.

O Cruzeiro 22.5.74
Mais sobre a corrida. Bem organizada, a corrida proporcionaria a presença de cada veículo nacional e a briga por posições estava garantida.


O Estado de S. Paulo 23.5.74


É a vez do Wilsinho tentar a pole.




O Estado de S. Paulo 24.5.74


Nem Paulo Gomes nem Wilsinho. Jayme Silva é o nome dele! Mais um Maverick fazendo a melhor volta e largando na frente.
Wilsinho tem problemas e o mais sério deles é a modificação que sua equipe fez a fim de aumentar a potencia de seu Opala, que agora está em desacordo com o regulamento.



Folha de S. Paulo 24.5.74
O Wilsinho Fittipaldi acabou ficando em 9º lugar. Nós vemos vários nomes conhecidos no grid.


Folha de S. Paulo 25.5.74


Está aí o nome da equipe do Maverick pole position, é a Slaviero-0K, concessionária Ford.
São 72 carros, 216 pilotos, um autódromo desafiador, 25 horas de corrida e uma rivalidade recente, mas totalmente acirrada entre Maverick e Opala. 



O Estado de S. Paulo 25.5.74




Olha só, foi uma surpresa o Maverick da Slaviero-0K ter ficado com a ponta, mas isso mostra que nessa categoria, o diferencial era o piloto, pois o carro tinha as mesmas características para todas as equipes.
Não era brincadeira, a briga entre Maverick e Opala não era segredo, muito menos uma guerra fria. Carros e pilotos lutavam para se manter à frente sempre. O Maverick tinha uma vitória contra o Opala nas 25 Horas de 1973 e esse ano o nível de ataques com certeza aumentaria deixando essa disputa cada vez mais interessante.


Atenção para o que a matéria vem alertando: Os Opalas estão com modificações consideradas fora do regulamento pelos dirigentes da prova. Essa modificação era o tal do S, do motor 250. 



Se já era sabido antes da corrida que os carros seriam ou não homologados depois da corrida, podemos esperar que haverá muita discussão. Já dizia a minha avó e a sua também: “O combinado não sai caro.”



Diário de Notícias 27.5.74
No dia dessa matéria a corrida  estava rolando e olha o que vem dizendo: "A Confederação Brasileira de Automobilismo resolveu não homologar os Quadrijet da Ford e o motor 250 S da General Motors tornará essa competição mais equilibrada."
Aqui fica claro que nenhum dois dois estavam homologados, o 250-S só iria correr por causa do mandado de segurança.



Quatro Rodas 6.74

Quatro Rodas 6.74


O Opala do Wilsinho venceu. Venceu como?
Vamos analisar:
Vimos que mesmo antes da corrida já se falava das irregularidades do Opala. Acredito que tudo deveria ter sido esclarecido antes do inicio da prova, mas eles deixaram para o final e até hoje sai discussão por causa disso.
A revista volta à corrida de 1973 e como podemos ver, tudo ficou esclarecido e a participação e vitória do Maverick foram válidas.
Já vimos também o que aconteceu com o 250-S em Brasília, quando foi impedido de ser utilizado na corrida. O motivo era óbvio, as peças que aumentavam sua potência não equipavam os carros de linha de produção, logo não poderiam entrar nas corridas.
Dá pra entender que quem usava Maverick estava tranquilo, tinha o carro mais forte e nem insistiu em usar o Maverick Quadrijet, já que ainda não estava homologado. Quem usava o Opala, porém, não tinha escolha, somente o 250-S poderia fazer alguma coisa na corrida, então eles usaram esse mandado de segurança um dia antes da corrida (acho que justamente para não dar tempo de ser negado) e correram “livres de culpa”.
Usaram como argumento que o motor do Maverick era importado. Que argumento mais fraco... Quiseram usar o mesmo argumento que a Ford usara em 1973, prometendo fabricar o número necessário de Opalas com o 250-S, mas acontece que a Ford tinha o Quadrijet, porém não forçou a entrada deles na corrida, pois a homologação era questão de tempo. A Chevrolet acabou enfiando os pés pelas mãos. O rival do Opala 250 era o Maverick V8, não havia motivo para colocar o 250-S na briga, mas se ele entrasse, deveriam deixar o Maverick Quadrijet participar também.

A turma do Opala forçou o máximo e deu tudo que tinha, usando até a justiça comum, para colocar o 250-S na corrida, eu entendo, era a única esperança para eles, mas não acho justo, se pode usar o 250-S, pode usar o Maverick Quadrijet também.

A coisa era tão séria que não era pra ter a premiação dos vencedores no podium.
Achei legal a atitude de Wilsinho Fittipaldi em deixar o seu chefe de equipe encerrasse a corrida pilotando e recebendo a bandeirada.
Ainda teve vários acidentes com Maverick, mas o final continuou o mesmo. Vitória do Opala, com um Maverick em 2º e um Opala em 3º. O Maverick do Jaime Silva, que largou na frente, chegou em 8º.

Podemos comentar muita coisa, na verdade, podemos falar por 25 horas sobre essa corrida. O Opala que chegou em 3º era equipado com o 250-S e mesmo assim o Maverick V8 (normal) chegou 1 volta à sua frente. Claro, não podemos dizer que a questão é motor, uma corrida tão longa como essa tem muitas variantes, mas é curioso. O Opala do tão aguardado e anunciado Wilson Fittipaldi ganhou, mesmo tendo feito um mau treino e classificando-se em 9º lugar. O Opala 250-S vencedor fez a volta mais rápida da corrida 3:46:02 minutos. O Maverick V8 (normal) garantiu a pole position com o tempo de 3:46:03 minutos. Dos 4 Opalas 250-S somente 2 ficaram entre os 15 primeiros. Vou ficar parar por aqui e voltar falar sobre a história, outra hora ou até mesmo aqui nos comentários a gente fala mais da nossa opinião.



Folha de S. Paulo 27.5.74


O texto é meio confuso. O 2º colocado foi um Maverick. Podemos dizer que é até engraçado os textos da época, são nomes escrito errado, letras faltando... a tecnologia era outra e isso é normal.
Foi a primeira vez que a justiça comum foi acionada para resolver assuntos do automobilismo nacional e isso aconteceu por causa da necessidade da Chevrolet mostrar serviço, pois no geral só perdia para o Ford Maverick, carro recém lançado.
No final da matéria entendemos que os Opalas venceram uma corrida, mas essa vitória não contaria em nada no campeonato ou até mesmo para a história, pois seus carros não estavam homologados (dentro do regulamento).

Jornal do Brasil 27.5.74
O Jornal do Brasil também estava em cima do fato.


Folha de S. Paulo 28.5.74


O resultado mesmo só sairia em junho, época em que a revista Quatro Rodas circulou a matéria da corrida.
Eu imagino o jogo de interesses por trás disso tudo. Esse resultado importava a todos e continua tendo grande valor. O vencedor das 25 Horas de Interlagos de 1974 foi decidido numa sala de escritório cheia de advogados e pessoas de terno e não na pista.

O Estado de S. Paulo 28.5.74
Essa matéria deixa o assunto mais claro ainda. A Ford acatou a decisão da CBA e CDTN, enquanto que a GM desrespeitou totalmente as ordens e o regulamento. 
O jornal diz também que por estar fora do regulamento, os primeiros colocados da Classe A e B além de serem desclassificados poderiam ser suspensos por seis meses.

Com certeza essa atitude educaria os concorrentes e é totalmente justa pois falta de respeito é uma falha muito grave. As equipes da Classe C deveriam sofrer as mesmas consequências.


O Cruzeiro 29.5.74
Ora, ora.... vejam o que temos aqui....
Vamos abrir um parenteses pois a revista O Cruzeiro publicava os assuntos bem depois de terem ocorrido, mas mesmo assim, em alguns casos, como esse, acaba divulgando informações não muito precisas.
Tudo o que lemos até agora, e não foi pouca coisa, fala que foi a GM que não respeitou o regulamento e que a Ford não fez o uso do Quadrijet nessa corrida. Bom, mas aí vem O Cruzeiro e diz totalmente ao contrário, num tom que eu entendo ser de ataque ao Greco e a Ford.
É interessante esse tipo de ponto de vista, mas como podemos notar, nenhum outro meio de comunicação publicou alguma coisa concordando com o O Cruzeiro. Vejamos as próximas notícias para colher mais fatos.

Diário de Notícias 31.5.74
" teve apenas ordem de chegada, pois o resultado oficial será conhecido após a reunião na Confederação Brasielira de Automobilismo"

Ou seja, o fato do Opala 250-S ter chegado na frente não significa nada.

Folha de S. Paulo 2.6.74


Acredite se quiser, quando eu fiz o upload dessa imagem, o meu computador desligou sozinho. Não é porque o Maverick não recebeu a vitória dessa prova que eu ia deixar de falar dela e mesmo não gostando de exibir um carro que venceu uma corrida usando artifícios que não faziam parte de um carro normal de linha de produção (se e que me entendem), faz parte da historia e deve constar aqui.
Eu fiquei rindo depois de ler essa propaganda. O melhor tempo do Grandiosíssimo 250-S foi apenas 1 décimo melhor que o Maverick com o V8 importado, como dizem.
Depois ironizaram o slogan da Ford, dizendo ter deixado pra trás todos os que estavam um passo à frente, criaram um slogan que serviu pelo menos para essa corrida: Opala, sempre uma vitória a mais.
Tão criativo e tão inteligente, isso deve ter sido elaborado em uns 3 minutos J
Não me leve a mal, a questão não é aquele fanatismo entre Maverick e Opala, pergunte a qualquer pessoa e eles com certeza vão ficar contra o Opala (nessa situação), não pelo carro em si, mas pelo modo que escolheram para vencer uma corrida. É quase a mesma coisa que a Ferrari fazia ao dar a ordem ao Barrichello deixar o Schumacher vencer a corrida.



Nós já conhecemos o Maverick Quadrijet, mas não vimos praticamente nada do Opala 250-S, seu principal adversário.


O Estado de S. Paulo 9.6.74


O V8 302 é importado e ponto. Essa é uma característica do carro. Vão querer impedir que ele corra por causa disso? Será que é bom para Ford toda essa manobra de trazer esse motor do Canadá, México e/ou Estados Unidos? Com certeza seria muito melhor produzir esse motor aqui, teria a mesma potência, qualidade e ia continuar vencendo os outros carros. A questão de ser importado ou não, pra mim, não significa nada.

A GM não dava atenção às corridas até essas mesmas corridas refletirem nas vendas dos carros. O Maverick chegou e estremeceu as estruturas da Chevrolet, levando-a a oferecer todo e qualquer apoio as competições.

Brincadeira esse negócio: “não há especificação de se esses doze meses serão contados regressivamente à data de inscrição do carro.” É claro que a contagem é regressiva. Em 1973 a Ford fez QUASE a mesma coisa para colocar o Maverick para correr, mas era diferente, o carro já havia sido lançado no país e obviamente seria produzido no período de 12 meses. A Chevrolet fez QUASE a mesma coisa forçando a homologação de um motor que nunca tinha sido utilizado nas ruas. Reforçando a idéia de que era mesmo um pulo do gato, uma artimanha para melhorar sua imagem e deixar de ficar atrás do “novato” Maverick.

O regulamento não protegia o 250-S muito menos o Quadrijet, porém a Ford não impôs a participação do Quadrijet, ao contrário da Chevrolet que deve ter gasto uma fortuna com advogados para fazer seu carro vencer as 25 Horas de Interlagos.

Temos a descrição do que faz o 250, um 250-S, são várias modificações e ao contrário da Ford que tinha a opção do Kit Quadrijet, o 250-S era um motor que só dava para ser adquirido junto com o Opala SS.

Já vi gente falando que o Opala 250-S era o carro mais potente do Brasil na época, Dodgeiros não liguem para eles, ainda era o Charger R/T com 215cv brutos. A verdade é que o Opala melhorou muito (em potência) com esse novo motor, mas não chegou a ser o mais potente.

Em breve vou postar uma pesquisa sobre a potência em cavalos brutos (SAE) e cavalos líquidos (DIN).



O Cruzeiro 10.6.74
Opa! Dessa vez a revista O Cruzeiro antecipou-se e soltou a bomba: "Os novos Opala SSR com motor 250-S, foram desclassificados da prova 25 Horas Souza Cruz,..."

As coisas estão ficando mais claras agora...


O Cruzeiro 12.6.74

Esse assunto nós discutimos ao ler a edição da Quatro Rodas sobre a corrida. 
Gostei da última frase: "Agora cabe ao CTD da CBA descobrir quem (Ford e Chevrolet) está menos errado."
Eu já disse, mas vou repetir, o que a Ford fez em 73 é totalmente diferente do que a Chevrolet fez agora nessa corrida. Há de se tomar cuidado com essas comparações.

O que eu não entendi, é que O Cruzeiro noticiou primeiro a desclassificação de alguns carros, mas nessa matéria que foi feita depois não diz nada do assunto....


O Cruzeiro 19.6.74
A GM divulgando oficinalmente resultados extraoficiais - Enganando completamente seus clientes. A Ford deixando de avisar que o Maverick que ganha corrida é o V8.



O Cruzeiro 26.6.74
Bah tchê!Deve até ter saído fogo dessa discussão.
Eu vejo duas coisas:
1- O Maverick era o mais veloz independente de onde e como era produzido.
2- Para o Maverick correr precisava ter seguido o que a CBA pedia, porém a própria CBA alterou os termos, então, onde é que está o problema?

Não sei porque complicar tanto....



O Estado de S. Paulo 27.6.74


Agora fica complicado....
Sabíamos que o resultado da corrida só sairia depois de uma reunião em junho. Reunião esta que ainda não havia ocorrido quando a Quatro Rodas fez sua matéria. A primeira notícia que achei (que realmente parecer ser da data da reunião) é de 27.6.74, onde o jornal Estado de S. Paulo publicou essa matéria acima confirmando o que O Cruzeiro havia noticiado.
Tivemos uma reviravolta, pois a CBA desclassificou os 3 primeiros colocados: 1º Opala, 2º Maverick, 3º Opala, fazendo do 4º colocado, o Maverick da Equipe Manah dos pilotos Arthur Bragantini/Tite Catapani e Mário Pati Jr vencedores da prova.
Os carros com motores 250-S e V8 Quadrijet foram desclassificados, além de outros carros com irregularidades. Não lembro de ler que algum Maverick Quadrijet correu, mas mesmo assim acho justo a desclassificação do 250-S e do Quadrijet.
E agora acho que a parte mais importante: A homologação do 250-S e do Quadrijet. Mil unidades para a divisão 1 e apenas 100 para as variantes destinadas a competições, que são apresentadas pelas fábricas. (incluindo o 250-S e o Quadrijet)
Essa reunião do CTDN resolveu vários assuntos, mas ainda acho que deveria ter acontecido antes da corrida.
Então por enquanto, o Maverick da Equipe Manah que era o vencedor das 25 Horas de Interlagos de 1974.



O Estado de S. Paulo 28.6.74



Meu veredicto: Até que apareça outra informação, dou o Maverick como vencedor das 25 Horas de Interlagos de 1974, mesmo que a maioria não aceite.


O Cruzeiro 31.7.74
Dois meses após a prova e os prêmios ainda não foram pagos?! É isso que dá não respeitar o regulamento.


O Cruzeiro 7.8.74
Não é inteligente resolver um problema causando outro, mas agora estava feito e é por isso que eu repito: tudo deveria ter sido acertado antes da corrida, não ter permitido o 250-S ao menos participar dos treinos classificatórios... agora não tem mais volta.

O Cruzeiro 21.8.74
Eles referem-se a essa propaganda:

Folha de S. Paulo 6.8.74
Parece que o negócio passou a ser pessoal que estariam pensando assim: "Se eles podem, nós podemos também"


O Cruzeiro 28.8.74
Aqui estão voltando ao assunto do dia 19.6.74. A Ford corrigia seus atos e respeitava os clientes ao contrário da GM que deixou todos os princípios de lado para vencer uma corrida...


Repito: Não tenho da pessoal contra o Opala ou os seus fãs, eu apenas não aprovo a forma da GM ter conduzido a situação.

Eu não criei esse blog para ficar defendendo o Maverick, muito menos para atacar os seus concorrentes. A minha opinião baseia-se no que foi notícia de verdade como vocês podem ver. Se você gostou, eu agradeço. Se não gostou, eu lamento, mas é a história.




MAVERICK NA HISTÓRIA
A História do Maverick contada como você nunca viu! 

Estamos na rede TSU, venha ver!
tsu.co/MaverickNaHistoria

Curta a página e confira nosso conteúdo exclusivo para o Facebook:

Inscreva-se em nosso canal do Youtube:
www.youtube.com/user/mvk8/videos


E-mail para contato:
juninho8fonseca@gmail.com

Obrigado pela visita!

No Facebook


Conheça os Relocímetros, uma linha de relógios especiais para quem curte carros. De parede, de pulso e de mesa. Acesse www.autosbizus.com.br .