sexta-feira, 20 de março de 2015

1972 - A Apresentação do Maverick no Brasil

Para entender o que aconteceu e porque aconteceu as coisas na vida do Maverick, nós precisamos voltar ao passado e analisar os fatos que formaram sua história. Tenho muito prazer em pesquisar e poder publicar aqui o que encontro sobre o Maverick. Já acompanhamos o que aconteceu em 1969, 1970, 1971 e agora veremos como foi o ano de 1972.

Já posso adiantar que foi um ano importantíssimo, foi o ano em que o Maverick realmente chegou ao Brasil. Chega de papo e vamos a história!



Quatro Rodas 2.72


Vocês assistiram aquele filme Sete Homens e um Destino? Sete Maverick vieram ao Brasil pra serem testados nas mais diversas condições. Como já vimos, em 70 já tinha Maverick por aqui, mas esses foram trazidos pela Ford com a intenção de adaptar o carro ao país.

Chegou com a missão de ser rival do Opala. Nos EUA, sua missão era combater os carros compactos, mas como o mercado brasileiro é diferente, o Maverick era considerado um carro médio, na faixa do Opala, logo a rivalidade estava instalada. Calma, só depois da apresentação no fim do ano no Salão do Automóvel...

Anotem aí mais uma data importante: 15 de janeiro de 1972, o dia que os sete Maverick trazidos pela Ford chegaram ao Brasil.

Alguns deles iriam passar por testes de aparência. Aí eles tiraram os frisos laterais e as falsas entradas de ar no capo..... parecem ter se arrependido em 77 quando colocaram tudo de novo... Dá pra fazer um lista das diferenças desses modelos....

A revista faz uma ponte sobre como o Maverick foi escolhido para o Brasil e cita as previsões de lançamento. Nós vimos isso quando falamos sobre o ano de 1970. Eles erraram bastante nas datas e previsões. Normal.

  • Grabber significa, segundo a revista, agarrador ou conquistador.

Acho muito interessante ler essas reportagens. Agora que tudo já aconteceu e nós sabemos o resultado, dá pra notar que metade do texto está cheio de especulação. A opinião dos leitores e possíveis futuros compradores do Maverick começava-se formar e todo o cuidado na divulgação de informações ainda é pouco.



O Fluminense 3.2.72
O Fluminense é um jornal novo aqui no Blog. Logo no primeiro recorte, temos 3 notícias da Ford juntas. O tempo era outro... Hoje em dia é muito difícil que uma montadora promova uma campanha de segurança.

Olha aí! Os Maverick já estão nas ruas testando a durabilidade e desempenho.

Como é? "Estes carros estão chegando em segredo por via aérea e por via marítima." Os primeiros sete chegaram de navio. Será mesmo que depois vieram mais Maverick de avião?



O Estado de S. Paulo 13.2.72
"Ford-Willys está submetendo nove Mavericks a duros testes." Vieram mais Maverick mesmo! Vieram de avião e podemos dizer que foram pelo menos 2.

"...outros cinco deverão chegar ao Brasil nestes dias.... .Com esses quatorze veículos..."

Legal, estão vindo em peso. Mas ainda são nove, vamos ver se teremos a confirmação desses novos 5.

O jornal diz que o motor de 4 cilindros deve ser o mesmo utilizado no Maverick americano. Eu nunca vi falar que nos EUA tinha Maverick 4 cilindros. Vamos esperar por novas informações.

No geral, os testes estavam a toda, os projetos estavam a toda e tinha até o pensamento de se vender o Maverick em 1972 mesmo. Nós já vimos vários outros testes que o Maverick passou durante sua vida. Dá orgulho de ver que ele passou com folga em todos eles!


Ainda deixei a lista dos preços dos carros aí pra quem interessar...

Folha de S. Paulo 3.3.72


O Maverick em testes, a Ford se mexendo para ampliar suas instalações... então o presidente da Ford, Iacocca, veio falar sobre tudo isso diretamente ao o presidente do Brasil, Médici.
Promessa de começar produzir o Maverick em 1972, o que está de acordo, deveria servir de estoque para 1973.
Eu queria ver essa miniatura de prata do modelo "T".


Folha de S. Paulo 4.3.72


Nada melhor do que deixar a história falar por si mesma. Bem objetiva, a matéria não deixa dúvidas sobre o novo automóvel brasileiro.
É isso mesmo? O Maverick americano tem freio a tambor nas 4 rodas?
E o preço? Quanto diferença... realmente não dá pra comparar, mas 11.500,00 para 25.000,00 é um absurdo e isso era apenas um valor estimado, o valor real praticado em 1973 era um pouquinho maior.

"... agora poderemos introduzir o Maverick no mercado brasileiro, fornecendo maiores opções de compra ao exigente consumidor nacional de carros de passeio." - Joseph W. O'Neill, diretor-presidente da Ford-Willys do Brasil


Correio da Manhã 4.3.72
O jornal conta um pouco de tudo. O principal: A Toyota também estava investindo no Brasil e a Ford estava ampliando suas instalações para a fabricação do Maverick.


Correio da Manhã 4.3.72
Como o mundo dá voltas! A Ford e todas as montadoras americanas tiveram que se mexer em face da invasão dos carros europeus e asiáticos, representados principalmente pelo Fusca, para não perder tanto mercado em seu próprio país. Agora é a Volkswagen que está preocupada em ter um carro para fazer frente ao Maverick aqui no Brasil.

Correio da Manhã 6.3.72
O povo precisa de emprego mesmo! Com a vinda do Maverick, todo o mercado nacional fica agitado e gera mais empregos para todos. Vocês são abençoados! Além de terem um emprego, estão produzindo um carro maravilhoso cheio de história!


A Folha 11.3.72
Olha aí o prefeito de Taubaté correndo atrás da Ford como um garoto corre atrás da menina mais bonita da festa.

O Fluminense 16.3.72
Como é bom "ouvir" o líder de tudo isso. Vai Ford, vai Joseph W. O'Neill!


O Fluminense 5.4.72
O jornal cita a revista que diz que a Ford do Brasil vai exportar carros. Exportar carros?

A imprensa especulava novamente. A Ford tinha um projeto, ainda não revelado totalmente, mas que não deveria ser encarado de tantas formas diferentes.


Folha de S. Paulo 5.4.72


Em 1972 o Maverick já fazia 3 anos de idade nos EUA e ao contrário do que vários publicam hoje em dia, e eu já vi organizações grandes e de nome no meio do esporte e automobilismo fazendo isso também, é que o Maverick foi um fracasso nos EUA. Aqui vai uma prova das muitas outras que ainda passarão por este blog, mostrando que o Maverick realmente ganhou seu espaço e teve êxito no mercado, vendendo em seu primeiro ano mais do que o Mustang vendeu em seu primeiro ano.

Falando sobre a mesma revista, agora o comentário é que serão exportados apenas os motores e não os carros.



O Estado de S. Paulo  9.4.72
Mais informações.... O presidente da Ford falou sobre o Maverick e ele não disse nada sobre motor de 4 cilindros. De onde esse povo tirou essa idéia?

O Estado de S. Paulo 9.4.72

Aqui já não vemos mais falar sobre o motor fantasma de 4 cilindros. Fala-se da substituição do Aero-Willys e do Itamaraty pelo Maverick. O Maverick substituiu 2 carros! Eu nunca tinha visto por esse lado. Em outras palavras, se juntar o que o Aero e o Itamaraty oferecem, você tem um Maverick, só que com muito mais estilo.


Edição Barbarense 15.4.72
Resuminho...

Correio da Manhã 19.4.72
Vocês não podem ver, mas estou batendo palmas para a Ford. Que visão! Que atitude! Maravilhoso.
Uma empresa tão comprometida com o seu negócio que não mede custos para levar seus funcionários e familiares para viver por um tempo nos EUA a fim de aprender como se fabrica o Maverick.
Parabéns!


Correio da Manhã 12.5.72
O colunista pôde expressar todo seu amor pela Chevrolet.

Ahh Juninho, você acabou de expressar seu amor pela Ford aí owww...

Amigo, que estratégia é essa que a Chevrolet tem? Pegar um carro da Opel e "abrasileirar" o dito cujo? Foi assim até os anos 2000, sei lá, quando deixou-se a Opel de lado e passou a copiar os carros fabricados na Ásia.  Eu sei que eu deveria dar mais fatos, mas a verdade é que a Chevrolet não fabricou nenhum carro pensando no Brasil. Nenhum carro da Chevrolet feito no Brasil tinha identidade.

O Maverick também veio de fora, não é um carro brasileiro!

Eu nunca disse o contrário. Acontece que o Maverick não nega suas origens, foi por ser bem sucedido em seu país que ele foi levado a outroS países. Entende, não pegaram um pedaço do sei lá... do Torino e da Fairlaine, montaram um carro e o chamaram de Maverick. Nem pegaram um Torino trouxeram para o Brasil e o chamaram de Maverick. Entende o que estou dizendo?


Chega, não vou mais discutir comigo mesmo! kkkkkkk O Opala tem o meu respeito, mas se for comparar as histórias desses carros, o Maverick também ganha rsrsr

O Estado de S. Paulo  14.5.72
Caramba! O prefeito de Taubaté foi uma mãe com a Ford heim. Está certo, a Ford vai retribuir muito para a cidade e a região.





Folha de S. Paulo 23.5.72


Saindo do papel.
Começam as obras da nova e tão comentada fábrica que tem o papel de não só exportar motores, mas principalmente (para nós) de produzir o Maverick.


O Estado de S. Paulo 25.5.72
O jornal veiculou a notícia em maio, mas esse relatório foi assinado em abril. As informações são de maior confiança possível.


Correio da Manhã 29.5.72
A Ford aposta mesmo no Brasil. Que bom!!!



O Fluminense 8.6.72

"Só" o Maverick dá conta de chamar e segurar a atenção de quem for/foi ao Salão do Automóvel.          .



Folha de S. Paulo 24.6.72


O Salão do Automóvel será em novembro, mas em junho já dava pra saber que seria o Maverick quem ia destacar-se. Já era tido como um anti-Opala. ( gosto disso :) ).



Folha de S. Paulo 1.7.72


A Ford-Willys dava a volta por cima com a construção da fábrica da Taubaté. 150 milhões de dólares para trazer o Maverick ao Brasil.
Todo esse investimento da Ford fez as montadores acordarem e a VW foi a primeira, já acompanhamos aqui no blog os investimentos e planos da líder de mercado.

É comum ouvir dizer: "Maverick tem que ser V8!" há um desprezo aos outros motores oferecidos, mas na verdade é uma grande falta de respeito ao Maverick. O Mustang receberia, e recebeu, o mesmo motor de 4 cilindros que equipou nosso Maverick e ninguém, ninguém ousa a falar do Mustang. Maldita maneira de pensar que só as outras coisas, principalmente as de fora, que são boas. Maverick não pode, mas para os outros está liberado... quanta falta de coerência...

A Ford-Philco também merece atenção, é mais um mercado que a Ford abraça.



Folha de S. Paulo 28.7.72


A partir de então "Um passo à frente" torna-se o slogan oficial da Ford, que já deixou de ser Ford-Willys. Foram mais de 5 mil frases propostas pelos 1700 funcionários da empresa. Eu acho slogan o melhor de todos. Um tempo atrás o slogan era "Viva o novo", eu quero viver o antigo, o clássico, porque com o Maverick, nós estamos sempre Um passo à frente.

A respeito da organização da Ford, podemos dizer que se no seu negócio você não tem pessoas capazes e determinadas, não chegará a lugar nenhum. Não importa oferecer o melhor produto ou serviço, não importa ser conhecido nem faturar bastante, se você não souber administrar e investir seus recursos estará dando a chance para a concorrência te deixar para trás.

Folha de S. Paulo 7.8.72


Nos EUA...
A Ford apresentava a perua Pinto. Ainda bem que esse carro não veio para cá, mas será que a idéia da perua foi reaproveitada pela Souza Ramos ao fazer a perua Maverick.
O Maverick também ganhou novas opções de acabamento.


Diário do Paraná 13.8.72


O Fluminense 18.8.72
Todos comentando.
O Pinto era o carro mais compacto da Ford e ter uma versão perua com certeza é de se admirar.


Correio da Manhã 31.8.72
Ah vai ter que apresentar o Maverick sim, estamos ansiosos com as promessas.

Diário de Pernambuco 3.9.72
Previsões de um futuro próximo com informações nem tão confiáveis rsr


Diário de Pernambuco 19.9.72
Sabe quem é nessa foto? É o Emerson Fittipaldi.
Esse resumo sobre a história do Maverick no Brasil é muito interessante. Gosto muito desse tipo de resumo porque facilita bastante o entendimento geral. Aconselho ler mais sobre a escolha do Maverick aqui na história sobre 1971


Diário do Paraná 1.10.72
A Ford tinha 3 grandes projetos: a produção do Maverick, a produção para exportação de motores 4 cilindros e produção de veículos pequenos de carga. O nosso Maverick está diretamente envolvido em dois desses projetos, era o principal investimento da Ford no Brasil.


Diário de Pernambuco 15.10.72
Presença no tão aguardado VII Salão do Automóvel.

Folha de S. Paulo 20.10.72


Em comparação com outras empresas, a Ford foi quem mostrou o maior projeto de investimento.

Folha de S. Paulo 21.10.72

Enquanto o Corcel atacava o Fusca, o Maverick chegava para dar um fim ao sossego do Opala.


Correio da Manhã 21.10.72
Aqui vemos tudo bem explicado.
O negócio é bem mais embaixo mesmo. Viu o que que queria dizer em comparação com a Chevrolet? É isso, a Ford tem um planejamento, um objetivo, alvos a atingir e seguir. Não é só pegar um carro de outro país de uma empresa do grupo e falar que é o novo lançamento... A Ford é completa.


Folha de S. Paulo 22.10.72


A pesquisa citada pelo jornal pode ser conferida aqui em nossa outra pesquisa.
Faltando pouco mais de um mês para o Salão do Automóvel, a ansiedade cresce cada vez mais.


O Estado de S. Paulo 29.10.72

Um carro que tem toda essa atenção, todo esse investimento não pode ser um carro ruim. O Maverick sairia mais que pronto da linha de montagem, com fama, respeito e atitude.


O Fluminense 2.11.72
A Ford fez testes antes de lançar o Maverick, depois de lançar e ainda colocou ele em corridas de longas durações.... Deve ter sido o carro mais testado do Brasil, quem sabe até do mundo.

Achei interessante o jornal chamar o Maverick americano de IRMÃO do Maverick brasileiro. Eu nunca tinha visto por esse lado :)

Correio da Manhã 3.11.72
Mais um resumo bem feito pra nos ajudar a entender a situação do Maverick.


Diário do Paraná 5.11.72
Já vimos...



Correio da Manhã 18.11.72
Engraçado.. antes do lançamento todo mundo fala bem do Maverick, aí chega a Quatro Rodas e começa a falar mal hehehe tá bom, tá bom, começa a não falar tão bem do Maverick.

Achou curioso falar do Fittipaldi? É porque... olha só:





Folha de S. Paulo 9.11.72



Quatro Rodas 12.72



Surpreso? Eu fiquei! Sabe aquele vídeo no youtube que o Emerson pilota o Maverick em Interlagos? É sobre isso que essa matéria fala. Logo após nós vemos o que o Emerson achou do Maverick.
Nessa mesma época, estava sendo produzido o documentário O Fabuloso Fittipaldi, que eu procurei, procurei e não encontrei :( . Nessa matéria o Emerson estava "bravo" pelo circuito de tarumã ter sido vetado, mas essa é outra história.  

Estou preparando uma pesquisa sobre tudo o que rolou nesse passeio do Emerson com o Maverick.

O Estado de S. Paulo 26.11.72
O Maverick causou um boom na Ford.




Diário de Pernambuco 3.12.72
Olha ele aí!

O Fluminense 4.12.72



Diário do Paraná 19.12.72
Nós já vimos essas notícias antes.



Folha de S. Paulo 20.12.72
Novidades na linha americana Ford.
Infelizmente não dá muito bem para ler a matéria, mas dá pra ver que o Maverick ganhava mais ainda em conforto e segurança. Parece um tipo de alarme que viha equipado.


Diário do Paraná 12.72

O Diário do Paraná lembrou do Maverick como destaque dos acontecimentos de 1972. Posso citar várias outras coisas, mas o Maverick é a mais importante :).

Imagino quem viveu na época acompanhando o noticiário ficando cada vez mais ansioso para ver o Maverick se apresentado. Essa pesquisa é dedicada especialmente ao amigo Edison Guerra, um verdadeiro amante da Ford e do Maverick. Desde pequeno estava ligado no mundo Ford e esteve presente ao VII Salão do Autómovel. Ouvir suas histórias é emocionante. Parabéns meu amigo. Abraço!

Aqui você confere a pesquisa sobre o Salão do Automóvel.

Muito bem, agora continue conosco vendo o que aconteceu nos anos de 1973, 1974, 1975 e 1976.


FORD MAVERICK NA HISTÓRIA
A História do Maverick contada como você nunca viu!

E-mail para contato:
juninho8fonseca@gmail.com

Curta a página e confira nosso conteúdo exclusivo para o Facebook:

Inscreva-se em nosso canal do Youtube:
www.youtube.com/user/mvk8/videos


Obrigado pela visita!

No Facebook


Conheça os Relocímetros, uma linha de relógios especiais para quem curte carros. De parede, de pulso e de mesa. Acesse www.autosbizus.com.br .